Transamérica
Na Câmara Municipal

Problemas de Infraestrutura e Funcionalismo figuram na primeira Tribuna Livre do ano

Três cidadãos fizeram uso da palavra aberta durante a Sessão Ordinária da Câmara Municipal

04/02/2020 15h35
Por: A Estância
Fonte: Chico Sant'Anna (TEXTO)
193

A Câmara Municipal de Avaré realizou, na noite da última segunda-feira, 03, a primeira sessão ordinária de 2020. Um dos destaques da noite foi a Tribuna Livre, parte da reunião em que os vereadores abrem espaço para cidadãos discorrerem sobre assuntos e problemas de seus cotidianos. Na noite, usaram a palavra representantes do distrito de Barra Grande, do Jardim Califórnia e dos servidores públicos municipais.

O primeiro a falar foi José Paulo dos Santos de Oliveira. O cidadão, que reside na Barra Grande, falou sobre situações observadas naquela localidade e pediu mais apoio do Poder Executivo em suas resoluções. Ele abriu sua palavra mostrando slides referentes à última edição da EMAPA, que aconteceu no mês de dezembro. O recurso foi pensado para chamar a atenção ao fato de que a atual administração já anunciou a realização da mesma festa para o ano de 2020. “Nós temos uma administração totalmente planejada para promover a festa; a gente vê que o prefeito, mal terminou uma festa, já planejou a (próxima) festa”, frisou ele.

Ele frisou, em seguida, problemas percebidos em áreas do município nos últimos períodos, como a falta de infraestrutura, demora nas obras do Jardim Califórnia e as constantes enchentes em áreas conhecidas do centro da cidade. Ao mesmo tempo, ele mostrou fotos da antiga Estação Ferroviária da Barra Grande que, segundo informações, sediará, em breve, uma Unidade Básica de Saúde (UBS). “Está tudo prestes a cair”, destacou, pedindo diretamente à Secretaria Municipal de Saúde esclarecimentos sobre quando as melhorias serão feitas no local.

No final de seu pronunciamento, ele também citou o retorno das aulas na Rede Municipal de Ensino. “Se a Secretaria sabia que as escolas estavam em reforma, porque não foi feito um planejamento antes, para poder relocar os alunos?”, perguntou ele, lembrando quanto às dificuldades de deslocamento e inadequação de horários de transporte sentidas pelos alunos que residem naquela localidade.

Na sequência, foi a vez de Leonardo do Espírito Santo, presidente do Sindicato dos Servidores e Funcionários Públicos Municipais de Avaré e Região, abordar a atual situação dos trabalhadores da Prefeitura local, especificamente quanto aos reajustes salariais dos anos de 2017 e 2018. “Nós, servidores, sabemos das dificuldades da Prefeitura. Nós pedimos que o artigo 37 da Constituição Federal, Inciso 10, seja respeitado por essa Administração”, destacou ao solicitar a reposição inflacionária referente a cada ano. Leonardo afirmou, também, que os trabalhadores perderam, aproximadamente, 12,8% de Poder de Compra nos últimos anos.

Outro tema abordado foi o Plano de Carreiras e Salários dos servidores, incluindo os professores municipais. Segundo ele, o plano do Magistério foi criado à parte do dos demais servidores devido a pedido do FUNDEB, como forma de valorização da categoria. Porém, ele não foi colocado em prática. “Cabe uma denúncia junto ao Ministério da Educação mostrando que existe a lei, mas que ela não é aplicada”, disse o sindicalista.

Fechando a Tribuna Livre, Eduardo Eburnio falou sobre os problemas verificados no Jardim Califórnia, zona sul da cidade. “Viver a realidade, o dia-a-dia, o que está acontecendo ali é bem complicado”, destacou ele, logo de início.

Eduardo é produtor rural e sua propriedade fica atrás do Jardim Califórnia, sendo a rua principal do citado bairro a única via de acesso ao seu sítio. Além de expor os aspectos cotidianos, ele também mostrou, em uma apresentação de Powerpoint, parte da legislação que, em sua visão, garante seus direitos enquanto cidadão e trabalhador.

“Quem foi o responsável pela pesquisa de impacto ambiental dessa obra?”, questionou ele ao afirmar a quantidade de água que um açude, em sua propriedade, passou a receber com o inicio da obra: Eduardo afirma que as enxurradas vêm de todos os bairros próximos.

Eduardo também destacou ter protocolado quatro requerimentos na Prefeitura de Avaré pedindo providências para a situação e que, apesar disso, nunca teve nenhuma resposta por parte do Poder Executivo. Todos os problemas foram exemplificados com fotos tiradas no local. “A empresa tem, realmente, recursos para fazer uma obra dessas? Pergunto isso porque a quantidade de material usada daria para fazer umas quatro obras iguais, no mínimo”, frisou ele, destacando achar as atividades da empreiteira estranhas, pois, segundo ele, a mesma fica muitos dias sem realizar ações no espaço. “Eu nunca vi um responsável da Prefeitura nessa obra, acrescentou.

O presidente da Câmara, Francisco Barreto de Monte Neto, afirmou, após a sessão, que protocolará requerimento, junto à Prefeitura de Avaré pedindo o cronograma das obras para posterior conferência do Legislativo.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.